Empreendedorismo: a causa de todas as causas

By 7 de dezembro de 2015 Notícias No Comments

Do dia 16 a 22 de novembro, aconteceu a Semana Global de Empreendedorismo (SGE) da Endeavor, uma das principais fundações de empreendedorismo no mundo. No Brasil desde 2000, a organização já capacitou 2 milhões de brasileiros com programas educacionais presenciais e à distância que acontecem o ano todo.

Falar de empreendedorismo em tempos de crise é ainda mais significativo. Incrível como na crise o empreendedor nato enxerga oportunidade e procura se reinventar. Parece que o botãozinho da capacidade de resolver problemas é acionado e “ploft”: soluções chegam em forma de novos negócios.

Também é interessante observar como a cada edição da SGE vemos mais eventos sobre empreendedorismo social e mais startups ligadas a causas. Quantos aplicativos “do bem” você conheceu no último ano? Posso citar alguns que me impactaram diretamente e são de pessoas próximas como o “Tem Açúcar”, que a estudante de comunicação carioca Camila Carvalho criou aos 25 anos e está estimulando a troca entre vizinhos, resgatando o senso de comunidade nas grandes cidades e fazendo uma crítica ao consumo desenfreado.

Outro exemplo é o “GoodPeople App”. Lançado há três semanas pela paulistaAna Júlia Ghirello e pelo sueco-carioca Maxim Kejzelman, é um aplicativo que estimula que pessoas se conectem para fazer projetos colaborativos. Nesse curto intervalo de tempo eles já mostram que existia uma demanda reprimida por esse tipo de serviço: são 1.100 usuários cadastrados com quase nenhum investimento em mídia, apenas boca a boca.

Eu acho que faz muito sentido que essa ligação entre empreendedorismo e causas sociais aconteça porque, cada vez mais, quem se dispõe a empreender, faz isso por uma motivação interna, pela necessidade de trabalhar com algo em que acredite, para além da visão de negócios — que, claro, é fundamental. Em tempos de escassez de recursos isso fica ainda mais evidente pois aqueles que iriam empreender apenas visando lucro rápido e fácil, desistem. Gosto muito da citação que ouvi do Peter Diamandis, cofundador da Singularity University, de que o novo bilionário não é aquele que ganha um bilhão de dólares, mas aquele que impacta um bilhão de pessoas positivamente.

Se não impactamos positivamente um bilhão de pessoas agora, com essa ação pontual de apoio à SGE, as chances de que os participantes das 30 cidades brasileiras e dos 160 países criem projetos que cheguem lá são enormes.

 

Fonte: Proxxima

 

Leave a Reply