08 coisas que um web designer faz

By 20 de abril de 2015 Notícias No Comments

1 –  Design gráfico e Web design  são coisas diferentes?

Vamos começar definindo a diferença entre web design e design gráfico por diversos fatores. Exemplos:

  • Design gráfico trabalha com medidas e resoluções bem distintas das usadas no web design;
  • Quando um web designer faz uma arte, ele deve planejar algo que não comprometa a visualização em computadores e conexões mais precárias, além da resolução do monitor (barra rolagem inferior é um incômodo e tanto para o usuário);
  • Web design também é usabilidade. A ideia é que o visitante do seu site navegue por ele, então o web designer deve projetar algo amigável para navegação e leitura;
  • Designers gráficos não sabem codificar. Um web designer precisa entender esta parte, pois muita coisa que funciona no impresso não funciona na web, que conta com padrões html, css e tudo mais;
  • Dentre outras coisas que só postas em prática para entendermos as diferenças…

2 – Atendimento, pesquisa, briefing…

Você é tímido, não tem jeito com as palavras? Se quiser se destacar na área, é melhor deixar a vergonha de lado! Contato direto com o cliente é fundamental para um bom trabalho, afinal, para um serviço ser satisfatório (não só para o cliente, mas para você e principalmente para os usuários do site), você precisa pegar o que o cliente falou e traduzir aquilo em trabalho.

3 – Criação (wireframe, layout, logos, banners…)

A parte que todo mundo quer fazer, mas quando entra na área percebe que não é bem assim. É claro, rola criação, mas web design não é só isso. É bom saber bastante coisa? De certa forma, sim. O ideal é ter um foco em algo específico e noção em coisas que estão em volta. Como eu disse acima, numa agência grande, geralmente cada web designer é mais focado em alguma coisa. O importante neste caso, acima de tudo, é ter um diferencial.

4 – Codificação

Essa é a parte que mais me “entretém” no web design. Estou sempre estudando, fazendo testes e a cada dia eu descubro uma coisa nova, o que é essencial. Um web designer precisa ter fortes noções de web standards (normas para web). A meu ver, o essencial é dominar xhtml, css e semântica. O resto aqui é diferencial. Ter noções de HTML5, CSS3 e JavaScript/JQuery é ter um passo a frente. Por pouco tempo, já que logo logo isso será obrigação também.

5- Animação

Sim, Flash e coisas do tipo. É fato que este vem sendo um item descartado da lista de coisas primordiais que um web designer deve, ao menos, ter noção. Culpa da Apple? Isso é outra história!

Bom, de fato o Flash não é uma boa opção para sites, mas serve para banners, hotsites e por aí vai. Flash não vai morrer, ele simplesmente vai conhecer qual é o seu lugar.

6- Programação

Noções de PHP são sempre bem-vindas, já que um web designer vai precisar fazer algumas manutenções em páginas dinâmicas vez ou outra e saber o que está acontecendo no código é uma boa forma de ser produtivo. Mas não precisa correr atrás de um curso de PHP: Trabalho em equipe está aí pra isso. Eu aprendi muita coisa fuçando e conversando com os programadores. Se você é novo na área e tem essa oportunidade, aproveite. Se acha válido – e é – se aprofundar um pouco mais na linguagem (que não obrigatoriamente precisa ser PHP), procure um bom curso!

WordPress requer noções básicas de PHP, por exemplo, e dominar bem este CMS é um diferencial bacana e cada vez mais requisitado. O melhor de tudo é que é divertido.

7- Manutenção

Como já citei algumas vezes acima, um web designer também faz manutenção de sites. Desde trocar um link no menu, atualizar um conteúdo e até mesmo mudar algo em uma ferramenta dinâmica (daí as noções de PHP ou de outra linguagem, como JavaScript). Muitas vezes você precisa parar o que está fazendo AGORA porque um cliente desesperado precisa colocar um banner no topo do site pra ontem.

Se você é novo na área, provavelmente vai cair muita coisa do tipo no seu colo. Sempre é meio chato, mas nem tudo é maravilhoso sempre, mesmo.

8- Refação

Dizem por aí que o cliente sempre tem razão. Eu discordo e você vai discordar, mas, acredite, não há muita escolha. Por mais que você argumente, por mais que você seja o cara que estudou, pesquisou e respira internet, o cliente (e muitas vezes outros colegas de trabalho, a mulher, o primo de terceiro grau e o motoboy que tem preguiça de fazer a barba) vai bater o pé e pedir por uma alteração que faria uma hiena parar de sorrir.

Sim, argumentar é fundamental. Você deve mostrar para o cliente (ou para o seu chefe – sim, eles também pedem refações!) o por que de aquela ser a melhor solução para eles. Mas respire fundo: Dizem por aí que o cliente sempre tem razão…

Fonte: Fabio Resende Lobo

Leave a Reply